Os carboidratos (CHO) geralmente são tidos como os vilões das dietas. São eles os culpados pela “pochete”, pelo ganho de peso e, por isso, muitas vezes acabam sendo excluídos da alimentação. Mas não é bem assim que funciona, os CHO são nutrientes complexos, apresentam-se em diversas formas nos alimentos e, estão majoritariamente presentes em alimentos de origem vegetal, como frutas, verduras, legumes, tubérculos (batatas, mandioca…), grãos, sementes, cereais e seus derivados (pães e massas). Também podem ser encontrados nos cogumelos comestíveis, no leite e seus derivados. No nosso organismo os CHO estão presentes principalmente na corrente sanguínea (glicose), nas articulações e no músculo (glicogênio).

Então, pensando bem, os carboidratos não são tão ruins assim! É possível perceber que a maioria dos alimentos fonte de carboidrato, são alimentos saudáveis e contribuem para a promoção da saúde.

Os diferentes tipos de carboidratos

Os carboidratos são classificados de acordo com o número de unidades de carboidratos (monossacarídeos) que compõe a sua molécula. Um único carboidrato é chamado de monossacarídeo e existem mais de 10 diferentes tipos de monossacarídeos, não apenas a glicose. Esta por sua vez, é um dos principais combustíveis energéticos para o organismo. Os dissacarídeos e oligossacarídeos possuem de 2 a 9 unidades de monossacarídeos. Já os polissacarídeos, são as moléculas mais complexas e podem estar presente nos alimentos na forma linear ou ramificada (Linear: amilose, β-glucana; ramificada: pectina, hemiceluloses).  Veja a figura:

Os diferentes tipos de carboidratos.
Os diferentes tipos de carboidratos.

Função, digestão e fontes alimentares dos diferentes tipos de carboidratos

Na ciência da nutrição os carboidratos também podem ser classificados de acordo com o seu grau de digestibilidade, ou seja, alguns são rapidamente digeridos e absorvidos (monossacarídeos, dissacarídeos), alguns mais lentamente (oligossacarídeos e polissacarídeos) enquanto que outros (oligossacarídeos e polissacarídeos) não podem ser digeridos pelo nosso sistema gastrointestinal (ácido ou enzimas) e, portanto, fornecem pouquíssimas calorias quando ingeridos. Alguns polissacarídeos e oligossacarídeos, também conhecidos como fibras dietéticas ou polissacarídeos não-amiláceos, chegam ao intestino grosso e servem de alimento para as bactérias intestinais (geralmente as bactérias benéficas).

É importante notar que o amido é um polissacarídeo, possui somente glicose na sua molécula e por isso ele pode fornecer uma grande quantidade de energia para o organismo. Independente da forma do carboidrato (linear ou ramificado) é importante citar que o que define seu grau de digestibilidade, será os tipos de monossacarídeos e as ligações presentes na molécula.

Carboidratos que podem ser digeridos pelas enzimas do sistema gastrointestinal de humanos. Aqui damos somente o exemplo dos dissacarídeos, mas alguns oligossacarídeos e o amido, também podem ser digeridos.

Por outro lado, os monossacarídeos, dissacarídeos (sacarose do açúcar, lactose do leite, maltose dos cereais), alguns oligossacarídeos e o amido, podem ser digeridos e absorvidos pelo organismo e são as principais fonte de energia na nossa dieta. Alguns alimentos considerados não saudáveis geralmente possuem grande densidade deste tipo de carboidrato na sua composição e, portanto, apresentam alta densidade calórica/energética. Podemos citar como exemplo os açúcares, alimentos açucarados (doces, leite condensado, doces de padaria), refrigerantes e sucos industrializados, cereais refinados e alguns de seus derivados.

Carboidratos que não podem ser digeridos pelas enzimas do sistema gastrointestinal de humanos. As fibras dietéticas e os prebióticos são exemplos polissacarídeos e oligossacarídeos que não podem ser digeridos pelas enzimas digestivas.

Então as fibras dietéticas estão presentes em alimentos de origem vegetal como: cereais integrais e seus derivados (arroz, pães e massas integrais), frutas, legumes, verduras (sim, alface tem carboidrato!), castanhas, leguminosas e cogumelos. Dessa forma, os alimentos ricos em fibras dietéticas são também aqueles alimentos considerados saudáveis e que devem ser consumidos diariamente. No intestino, as fibras serão utilizadas pelos microrganismos intestinas e, com isso serão formados vitaminas e ácidos graxos de cadeia curta, importantes para a saúde intestinal e geral do organismo.

Assim, podemos perceber que os carboidratos podem contribuir, e muito, na promoção da saúde e auxiliar indivíduos na perda e manutenção do peso. Tudo vai depender de qual alimento fonte de carboidrato é consumido e a frequência com que ele é consumido.

Gostou do texto ou ficou com alguma dúvida? Mande uma mensagem pra gente!!

Kahlile

Kahlile Abboud
Nutricionista, mestre em ciência da nutrição
e do esporte e metabolismo e doutora em
bioquímica e biologia molecular.
Atendimentos Curitiba-PR