Chá verde (Camellia sinensis)

O chá verde, um tipo de chá chinês, é obtido através das folhas da Camellia sinensis e devido a seu agradável paladar e aos diversos benefícios atribuídos a ele, se tornou uma das bebidas quentes mais consumidas no mundo.
Atualmente há uma grande variedade de respostas fisiológicas atribuídas ao consumo de chá verde, incluindo melhoras na função cognitiva, benefícios no sistema gastrointestinal, melhora da saúde cardiovascular e metabólica.Estes efeitos estão associados aos compostos bioativos presentes nas folhas da Camellia sinensis, dentre eles, cafeína, flavonoides, sendo as catequinas a classe predominante, com maior destaque para as epigalocatequina galato, e a um aminoácidos não proteico a L-Teanina, à qual já foram relacionadas diversas atividades biológicas, sendo a melhora na cognição e diminuição da ansiedade as mais estudadas pelo meio científico.

Mas como o chá verde pode melhorar a performance?
Função cognitiva

A função cognitiva é muito importante para todas as modalidades esportivas, uma vez que tomadas de decisão, controle neuro-motor, timming de ações, coordenação dos movimentos, são executadas repetidas vezes em qualquer que seja a modalidade esportiva.
E se o atleta tiver acesso a um alimento que melhore tais capacidades? Magnifico, não é? Pois bem, apresento a vocês o chá verde.
A combinação presente no chá verde, L-teanina e cafeína, apresenta resultados consistentes na melhora da atenção, no tempo de reação, na memória e na eficácia do processamento da informação, podendo dessa forma ajudar na performance esportiva.
Há uma lacuna de estudos científicos com protocolos validados para o esporte, portanto iremos extrapolar as fronteiras, e acreditar que os estudos realizados em testes cognitivos gerais, uma vez validados, sejam reprodutíveis no meio esportivo

Ansiedade

A L-teanina é relacionada a vários efeitos psicológicos, e tem sido tratada como uma potencial alternativa para o tratamento de depressão, stress, ansiedade e distúrbios do sono.
Para atletas, o fator mental é muito importante nas competições, o stress, a falta de sono e a própria ansiedade são reclamações recorrentes dos atletas, o que leva a um impacto negativo na performance.
A nutrição é capaz de manipular estas variáveis em períodos competitivos ou de treinamentos intensos. Vários compostos bioativos presentes nos alimentos já foram descritos na literatura e no meio popular para tais atividades biológicas, como por exemplo o chá verde, rhodiola rósea, panax ginsemg, gingko e muitas outras plantas.

Entretanto os estudos nessas áreas com o chá verde, ou isoladamente com a L-teanina, não avançaram para estudos em humanos, e os resultados que encontramos na literatura são em modelos animais.Os resultados em modelos animais são promissores, citando alguns temos o estudo de Wise e colaborades (2012) com primatas e camundongos onde doses de L-teanina foram eficazes na redução de comportamentos ansiosos, Takarada e colaboradores (2015) mostraram excelentes resultadados no tratamento do stress pós traumático em camundongos, Cui e colaboradores (2011) observaram efeito antidepressivo em camundongos após administração de L-teanina.
Vale a pensa ressaltar, precisamos de mais estudos, com desenhos experimentais mais robustos, para que essa relação L-teanina/ chá verde com respostas psicológicas, dentre elas a ansiedade seja confirmada.

Sistema imune

O sistema imune de um atleta é colocado a prova cada treino, cada competição, cada lesão, cada noite mal dormida, cada recuperação mal feita, por isso não podemos deixar com que ele fique comprometido, atleta doente não rende.
E adivinhem, mais uma vez a nutrição é capaz de auxiliar a deixar esse sistema imune operando melhor, auxiliando no balanço do stress oxidativo, e modulando os processos pró/antiinflamatórios.
Em modelo animal, as respostas são claras, a L-teanina age como anti-inflamatório, melhorando dessa forma a função imune. Mas em humanos, o chá verde/l-teanina tem os mesmos resultados? E em atletas?

Novamente os estudos em humanos são escassos, principalmente em atletas, entretanto, pesquisadores poloneses publicaram em 2019 um estudo onde a L-teanina foi testado em atletas de alto rendimento e investigado o sistema imune após exercícios físicos extenuantes.
Juskiewicz e colaboradores (2019) avaliaram 20 remadores, durante 6 semanas de treino, onde metade dos atletas receberam L-teanina (300 mg/dia) e a outra metade recebeu placebo. O grupo suplementado com L-teanina teve melhores resultados nos parâmetros imunológicos avaliados.

Isso nos dá um bom indício que que o chá verde pode auxiliar a performance esportiva dos atletas ajudando o sistema imune após períodos de stress intenso. Mas mais uma vez, esses são estudos que nos mostram o caminho, muito outros devem ser realizados para que haja confirmação de tais resultados.

Chá verde e performance esportiva
Conclusão

A ciência, com pesquisa, vem comprovando com o que a Medicina Tradicional Chinesa sabe a milhares de anos sobre diferentes plantas, raízes, frutos, o chá verde é um dos muitos alimentos que nós nutricionista temos em mão para auxiliar um atleta na sua preparação nutricional. O conhecimento dos alimentos é chave da nossa profissão, se podemos usar um alimento porque usar um suplemento?
Sabemos que os estudos são inconclusivos, escassos e que carecem de mais ciência por trás dos fatos, não é verdade? Mas o que falar das centenas de suplementos lançados anualmente pela indústria? Todos eles têm sua eficácia indiscutivelmente comprovada?
Portanto, tome um chá verde, recomende chá verde, recomende mias chás, recomende mais frutas, recomende mais hortaliças, e não mais tantos suplementos, não mais tantos manipulados, podemos combinar assim?

Um bom chá da tarde a todos.

Referências

Haskel et al. Biol Psychol. 2008; 77:113-122.
Rogers et al. Psychopharmacology. 2008; 195:569-577.
Einother et al. Appetite. 2010; 54:406-409.
Giesbrecht et al. Nutr Neurosci. 2010; 13:283-290.
Owen et al. Nutr Neurosci. 2008; 11:193-198.
Saeed et al. Biom Pharmac. 2017; 95:1260-1275.
Kahathuduwa et al. Nutr Neurosci. 2016.
Baker et al. Nutrition Reviews. 2014.