A suplementação diária por um período mínimo de semanas têm se mostrado eficaz na melhora da performance

Antes de mais nada, é importante explicar que, durante o exercício, principalmente de alta intensidade e curta duração, o aumento da acidose afeta negativamente o ambiente intracelular bem como a capacidade contrátil da musculatura. Em outras palavras, o acúmulo de íons H+ decorrente do exercício de alta intensidade inibe enzimas da via glicolítica, além de prejudicar diversas etapas do processo de contração muscular levando à fadiga.

Seja como for, o corpo possuí mecanismos regulatórios para a manutenção do pH intra e extracelular, ainda assim, diversos estudos têm investigado medidas mais eficazes com o fim de atrasar os efeitos da fadiga e melhorar o desempenho esportivo.
Atualmente, dentre o que pode ser observado na literatura, as estratégias de tamponamento de caráter nutricional têm mostrado o seu potencial ergogênico. No caso dos aminoácidos, diversos estudos observaram que a suplementação com β-alanina foi capaz de aumentar o conteúdo muscular de carnosina, e consequentemente melhorar o desempenho em exercícios de alta intensidade.
A carnosina é um dipeptídeo intracelular citoplasmático, encontrado em altas concentrações na musculatura esquelética, e que consegue realizar a manutenção do equilíbrio ácido-base intracelular. Porém, sua síntese depende da disponibilidade de β-alanina na célula muscular.

Modalidades de luta

Primeiramente, vale a pena ressaltar a importância de definir o tipo de exercício realizado por cada modalidade esportiva. Por exemplo, no caso das modalidades de luta, são categorizadas por períodos de esforço intenso intervaladas por breves períodos de recuperação, gerando acidose e fadiga, consequentemente. Estudos relacionados com modalidades como taekwondo, boxe, judô e semelhantes, obtiveram resultados positivos através da suplementação de β-alanina. Um estudo em específico realizado com atletas de judô, concluiu que 4 semanas de suplementação de β-alanina aumentou efetivamente a performance em atletas bem treinados, e sugere que este tipo de modalidade pode se beneficiar dos efeitos ergogênicos da administração do aminoácido em questão.(de Andrade Kratz C, de Salles Painelli V, de Andrade Nemezio KM, et al., 2017)

Suplementação com β-alanina:

A suplementação com β-alanina vai de acordo com a tolerância do indivíduo, sendo que a recomendação geral é de 1,6-6,4g/dia, no caso de doses mais elevadas, recomenda-se o fracionamento em 4 doses diárias para minimizar o efeito de parestesia.

A suplementação deve ocorrer de maneira crônica, de forma que os níveis de carnosina intracelular fiquem elevados e por fim possam retardar a fadiga muscular causada pelo aumento da acidose. Períodos mínimos de 2-4 semanas de suplementação são recomendados na literatura para que os efeitos ergogênicos possam ser observados.

Efeitos adversos:

Parestesia, é o único efeito colateral conhecido da suplementação de β-alanina até o momento, se caracteriza por uma sensação de formigamento que afeta principalmente as extremidades, e que geralmente aparece em doses agudas mais elevadas, ou seja, pode ser minimizada com o fracionamento adequado das doses administradas.

Gostou do texto? Quer saber mais, ou começar a suplementar? Entre em contato conosco e marque uma consulta.

Foto do nutricionista Renan, beta-lanina e desempenho

Renan Assis
Nutricionista esportivo com foco em
hipertrofia, bodybuilding e esportes
de luta.
Atendimento em São Paulo-SP

Referências